Alimentando Cães Adultos

Dicas para alimentar corretamente seu melhor amigo.

labrador adulto  Alimentando Cães AdultosConfira dicas para a alimentação adequada do seu cão adulto.

Quando um cão atinge a maturidade total, ele entra no período de manutenção. Os animais saudáveis normais que não estão prenhes, amamentando ou trabalhando pesado têm necessidades nutricionais relativamente baixa para manter um estado corporal apropriado. Um bom estado corporal é aquele em que o animal está bem proporcionado, com uma cintura perceptível atrás das costelas, podendo-se, ao apalpá-las, sentir uma fina camada de gordura sobre elas.

Com a variedade de alimentos para cães nutricionalmente completos e balanceados existentes no mercado, proporcionar uma dieta apropriada para um cão adulto pode ser simples, sem a necessidade de nenhum tipo de suplemento. Se carne ou sobras de comida forem administradas como suplemento, elas deverão perfazer não mais de 10% da dieta total.

No caso de cães com necessidades calóricas mais baixas e/ou cães que são menos ativos, deve-se ficar atento para a possibilidade de um ganho de peso excessivo. Freqüentemente, o peso de um cão pode ser reduzido simplesmente eliminando-se as sobras de comida e snacks da dieta e evitando-se alimentos para cães de alto teor calórico. Cães com excesso de peso podem ter mais problemas de saúde e uma expectativa de vida mais curta.

As recomendações para a alimentação de cães adultos podem variar, dependendo da raça, da atividade, do metabolismo e da preferência do dono do cão. Independentemente do fato de um animal ser alimentado uma ou duas vezes ao dia, ele deve ser alimentado na mesma hora e ter sempre água potável fresca a sua disposição. Assim como acontece com os seres humanos, o apetite de um cão pode variar de dia para dia. Isto não deve constituir nenhum problema, a menos que a perda de apetite persista ou o cão apresente sinais de doença ou perda de peso. Nestas situações, o cão deve ser examinado por um veterinário.

Alimentando Cães de Trabalho

Independentemente da temperatura ambiental sazonal ou do estado fisiológico de um cão, quando tudo mais é igual, quanto mais ativo for um cão, de mais alimento ele precisará. Todos os nutrientes serão requeridos em quantidades maiores do que para um cão adulto em manutenção, não simplesmente proteína adicional ou minerais extra, tais como cálcio e fósforo. A atividade física é o resultado externamente visível de uma seqüência complexa de contrações musculares. Água, vitaminas e minerais participam na utilização da energia para trabalho.

Os cães de trabalho são, usualmente, aqueles utilizados para caçar, pastorear ovelhas, bem como cães que, rotineiramente, correm longas distâncias. Estes grupos de cães de trabalho podem ter uma maior necessidade de nutrientes quando estão treinando ou efetivamente trabalhando. A necessidade de nutrientes adicionais dependerá do nível de atividade de um cão em particular. Um ponto de referência é o fato de que eles são completos e balanceados com alta densidade de nutrientes.

Nos períodos em que um cão não está treinando nem trabalhando, é recomendável que a quantidade da ração de treinamento/trabalho do cão seja reduzida ou que o cão passe, gradualmente, para uma alimentação com menos calorias e menos densa em nutrientes (contendo, pelo menos, 20% de proteína e 3.300 quilocalorias por quilograma de alimento). Manter os cães em um bom estado corporal no período em estão fora de atividade ajuda a tornar menos estressante o seu condicionamento para os períodos de treinamento ou trabalho.

Não se deve dar aos cães que estão trabalhando ou treinando uma refeição imediatamente antes ou imediatamente após uma sessão de atividade extenuante. Alimentar os cães quase na hora dos exercícios pode resultar em um mau desempenho, ou distúrbio gástrico ou desconforto (evidenciado por vômitos ou fezes amolecidas) e aumentar o risco de torção gástrica. A utilização apropriada de alimentos (tais como snacks) durante os períodos de maior atividade pode evitar desconforto de fome e fadiga nos cães de trabalho. A utilização apropriada de alimentos consiste em oferecer o snack após um período de repouso, em pequenas porções, com água fresca e fria,e seguido de um período de repouso.

Alimentando Cães Mais Velhos

Os cães são definidos como mais velhos ou geriátricos quando atingiram os últimos 25% do seu período de expectativa de vida, que está diretamente relacionado com o tamanho ou raça, bem como cuidados recebidos durante toda sua vida:

  • Cães de raça pequena com mais de 12 anos de idade
  • Cães de raça média com mais de 10 anos de idade
  • Cães de raça grande com mais de 9 anos de idade
  • Cães de raça gigante com mais de 7 anos de idade

Alguns sinais de envelhecimento:

  • Mudanças no peso corporal com dificuldade na locomoção (movimento)
  • Mudanças da audição e/ou visão
  • Mudanças na pele e/ou pelagem
  • Mudanças nos hábitos de urinar e defecar
  • Mau hálito associado a problemas nos dentes ou na boca

Estudos mostraram que os cães mais velhos saudáveis utilizam a proteína do mesmo modo que o cão adulto jovem e que os cães geriátricos podem precisar de, aproximadamente, 50% a mais de proteína do que os cães adultos mais jovens. Os animais menos ativos podem ter baixas necessidades calóricas, razão pela qual se deve ter cuidado ao se administrar em dietas densas em calorias a fim de evitar o risco de um ganho excessivo de peso.

Alimentando os Filhotes 

labrador filhote  Alimentando Cães AdultosNos primeiros sete a dez dias de vida, os olhos do filhote permanecem fechados. Mesmo assim, durante o referido período, os filhotes dobram seu peso ao nascimento e ficam cada vez mais ativos. Como regra elementar, cada filhote em uma ninhada deve ganhar, aproximadamente, seu peso ao nascimento a cada semana durante o período de lactação ou amamentação (na primeira semana ele pode ganhar um pouco menos e nas semanas finais um pouco mais do referido peso).

Embora as fêmeas sejam, em sua maioria, excelentes mães, algumas mães nervosas ou descuidadas podem precisar de uma atenção especial que as ajude a se acalmar e aceitar sua nova prole. Para isto pode ser que tenhamos que trabalhar junto à mãe e/ou filhotes e colocar os filhotes junto ao mamilos da mãe. Ao cuidar, rotineiramente, dos filhotes você terá uma oportunidade de verificar seu estado e progresso, embora cuidados excessivos possam ser estressantes para a mãe e os filhotes e devam ser evitados.

Alimentação – Ração ou comida caseira?

A alimentação oferecida deve ser apropriada ao tamanho, idade e atividade do cachorro. Tanto a ração como a comida caseira são permitidas, sendo o uso da ração a opção ideal, além de mais prática. A comida caseira pode ser mais trabalhosa de preparar que uma ração de excelente qualidade, pois para atender às exigências nutricionais do seu cachorro, é preciso elaborar uma refeição balanceada. Além disso, a comida caseira pode estragar mais facilmente se ficar muito tempo no comedouro exposta ao meio ambiente e, por ser mais “pastosa”, predispor ao acúmulo de tártaro nos dentes e fezes mais moles.

Fonte: www.merial.com

Quantas vezes por dia devo dar comida ao meu cachorro?

O número de refeições pode variar de 3 vezes quando filhote até uma única vez, quando adulto, no entanto duas refeições são preferíveis após a fase de crescimento.

Mau hálito: questão de higiene e cuidado 

Para prevenir o mau hálito é preciso cuidar dos dentes quando o cachorro ainda é novo. Não se deve esperar o acúmulo de tártaro para começar a agir, pois com o decorrer do tempo pode haver inflamações das gengivas, perda de dentes e até doenças graves. Os dentes devem ser escovados regularmente e para isso é preciso acostumar desde filhote. Alimentos mais duros e crocantes auxiliam na limpeza dos dentes, pois promovem atrito. Assim, a ração é o alimento mais indicado. Após algum período de acúmulo de tártaro, a única solução é a remoção com um instrumento próprio na clínica veterinária.

Alimentação é fundamental contra o envelhecimento precoce do cão.

Assim como nós, os cães sofrem com os efeitos da idade. As sintomáticas incluem desde a perda de memória até a capacidade de aprendizagem. Mas, como na medicina humana, a medicina veterinária tem buscado soluções para atrasar o envelhecimento dos animais. Segundo um estudo canadense a alimentação pode ser fundamental nesse processo.

De acordo com os especialistas, os cães com idades superiores a sete anos sofrem com a redução na atividade cerebral, já que as células do cérebro reduzem a habilidade de usar a energia da glicose de maneira tão eficiente como faziam quando eles eram mais jovens. Essa redução afeta diretamente as atividades diárias do cachorro, ocasionando pequenas mudanças em seu comportamento, como a falta de atenção e a lentidão para realizar tarefas.

A novidade trazida pelos cientistas da Universidade de Toronto é que uma alimentação anti-idade, com condimentos a base de óleos vegetais, como o de coco, pode retardar a velhice do cachorro, melhorando a sua memória e aumentando a sua capacidade de aprendizagem. A dieta das gorduras especiais – conhecidas como triglicerídeos de cadeia média (TCM) – deixam que elas sejam facilmente convertidas em energia que, absorvidas pelo cérebro, fornecem combustíveis que ajudam no funcionamento das atividades cerebrais.

Para ajudar seu cachorro a ter um envelhecimento com saúde, os veterinários aconselham a buscar entre as rações disponíveis no mercado aquelas que contenham alimentos com suplementos TCM. Mas comentam que só isso não basta.

“O primeiro passo para combater o envelhecimento canino é seu dono aceitar que o animal está ficando velho. Eles geralmente negam isso! Eles sabem que o cachorro já está apresentando sinais de envelhecimento, mas insistem em ignorá-los”.

Fonte: www.portaldacinofilia.com.br

Dicas sobre alimentação

A alimentação é a principal fonte de energia e vitalidade para os cães. Desde filhote o cão deve comer uma ração balanceada, em quantidades proporcionais para que ele mantenha o peso e o ganho de nutrientes ideais.

Quando adquirimos um filhote, devemos levar uma quantidade da ração com a qual o animal se alimentava. Caso haja intenção de mudar de marca de ração, devemos faze lá de forma gradual, durante cinco a sete dias, para que o animal não tenha diarréia ou não aceite o novo alimento. A quantidade ideal para um filhote vem informada na embalagem de cada ração, e esse alimento deve ser dividido em três a quatro porções, fornecidas ao longe do dia, até que o filhote complete seis meses.

Não forneça leite, pão ou outros tipos de alimentos humanos ao filhote. Isso prejudica a alimentação do cão, podendo causar diarréia, vômitos e uma absorção deficitária de nutrientes. O filhote passa por um processo de desmane controlado, estando totalmente adaptado a se alimentar com ração seca. Devemos sempre fornecer uma ração de qualidade, com nutrientes balanceados o que evita gastos desnecessários com suplementos alimentares. A ração que usamos e recomendamos é a Pro Plan (adulto e filhote), onde obtemos excelentes resultados de desenvolvimento e ganho de massa muscular.

Após o animal completar os seis meses, devemos manter a ração para filhotes, mas que pode ser fornecida duas vezes ao dia, dando preferência aos períodos mais frescos do dia. Devemos manter um controle do peso do animal em sua fase de crescimento, o que ajuda a manter uma nutrição correta e com dosagens ideais de ração. Em casos onde o animal esta com dificuldade de ganho de peso, podemos abrir mão do uso de suplementos vitamínicos e minerais, sempre com a recomendação e supervisão de um Médico Veterinário de sua escolha.

Alguns animais, principalmente na fase de crescimento, apresentam falta de apetite ou desinteresse pela alimentação. Para evitar que o animal não ganhe peso adequadamente, devemos estimulá-lo a se alimentar. A realização de exercícios físicos todos os dias aumenta o metabolismo do animal, aumentando o seu apetite. A troca de ração também pode estimular o animal a se alimentar, alterando a sua palatabilidade.

Devemos manter a alimentação para filhote até a idade entre 16 e 18 meses. Essa idade é quando o animal atinge sua formação completa, estando pronto para receber uma ração de manutenção.

Pastor Alemão  Alimentando Cães AdultosA ração de manutenção (ração adulta) deve ser fornecida ao animal duas vezes ao dia. Nos casos onde o animal é alimentado apenas uma vez ao dia, NUNCA brinque ou jogue bola com o seu cão após a refeição. Isso pode ocasionar uma torção gástrica no animal devido ao excesso de comida no estômago, podendo levar o animal a óbito se não socorrido com rapidez. Por isso sempre recomendamos a alimentação em duas etapas, mais segura e mais saudável para seu cão.

Mantenha sempre seu animal dentro do peso ideal, evitando excesso ou déficit de peso (Para saber o peso ideal do seu cão, consulte nossa tabela de pesos). Animais acima do peso ou muito obesos podem apresentar distúrbios respiratórios, endócrinos, articulares, dificuldade de mobilidade, entre outros, além de apresentar sedentarismo, que pode acarretar em problemas cardíacos.

A alimentação correta é um dos segredos para ter um Pastor Alemão com uma pelagem bonita e saudável, pois, a alimentação influencia diretamente na qualidade do pêlo dos cães.

Fonte: www.pastoralemao.vet.br

loading...

Escreva aqui !

Comentário

  • adoro essas duas raças gostaria de saber mais talvez depois eu adote um cachorro filhote desses.