Trabalho Escravo não é exclusividade das lojas Zara

Trabalho Escravo não é exclusividade das lojas Zara

Trabalho Escravo não é exclusividade das lojas Zara

Lojas Marisa ,C&A e Riachuelo também já foram autuadas pela mesma prática

  Trabalho Escravo não é exclusividade das lojas Zara

Hoje a série de reportagem de ALiga foi muito boa, denunciando o TrabalhoEscravo no Brasil, a loja Zara foi o assunto mais discutido na internet, as reações de consumidores e futuros compradores de roupas das lojas Zara foram as mais adversas:

Primeira vez q vi #aliga gostei! Absurdo o trabalho escravo na confecção #zara a empresa demorou a dar resposta mas pelo menos fez o certo.

Para admiradores da #zara… Coloque sua bolsa Louis Vuitton feita na China para combinar com as roupinhas feitas no Bom Retiro.

Depois de toda essa polêmica com a #zara só quero saber uma coisa.Vai ter liquidação por causa disso ?

Aproveitem essa onda de indignação e pesquisem também sobre cosméticos e produtos que fazem testes em animais indefesos, é um absurdo.

O diabo veste Zara. – Passou ontem no telecine fun

v  Trabalho Escravo não é exclusividade das lojas Zara

Amanhã aproveitem a promoção da #ZARA, compre um casado por R$150 e ganhe o selo #sustentável, #trabalhoescravo. Simplesmente #Indignado!

Rede Marisa é autuada por trabalho irregular

A Marisa, uma das maiores redes de roupas do país, foi autuada em R$ 633,67 mil pelo Ministério do Trabalho (MTE) em São Paulo, após auditores fiscais do trabalho encontrarem funcionários estrangeiros em condições consideradas análogas à escravidão em oficina que presta serviço à rede. 

Trabalho análogo ao de escravo é aquele em que a pessoa é submetida a condições degradantes, como jornada exaustiva (acima de 12 horas, como prevê a lei), servidão por dívida (tem a liberdade cerceada por dívida com o empregador) e corre riscos no ambiente de trabalho.

A Marisa tem até amanhã para apresentar defesa. A rede discorda da autuação e diz que não tem responsabilidade sobre as condições de trabalho em empresas subcontratadas por seus fornecedores diretos. A oficina fiscalizada é a quarta na etapa de terceirização do processo produtivo da Marisa.

No entender do Ministério do Trabalho, a empresa tem responsabilidade. Para responsabilizar a loja, os fiscais informam que se basearam em um conjunto de provas que mostra que a Marisa tem controle de todos os processos da cadeia produtiva e que ela utilizou empresas interpostas para não contratar diretamente os trabalhadores estrangeiros.

Reportagem da Folha

 

 

Oficina flagrada com escravidão produziu para C&A

Registrada como Indústria de Comércio e Roupas CSV Ltda., a oficina de costura ligada à Marisa que foi flagrada com 17 trabalhadores imigrantes em condições análogas à escravidão produzia peças anteriormente para a C&A. A informação foi confirmada tanto pelo dono da oficina, o boliviano Valboa Febrero Gusmán, como pela própria rede varejista.

Operação comandada pela Superintendência Regional de Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE-SP), ocorrida em meados de fevereiro deste ano, encontrou um amplo quadro de irregularidades no local – desde “fortes indícios de tráfico de pessoas”, registros de cobranças ilegais de dívidas dos empregados e salários muito aquém dos permitidos até condições críticas no tocante à saúde e segurança no trabalho, alojamentos completamente inadequados e jornadas exaustivas (detalhes mais abaixo na descrição das condições).

Quando da fiscalização, Valboa confirmou ter fabricado peças de vestuário durante os últimos anos (até 2009) para a Karvin que, por sua vez, atuou como fornecedora da C&A por cerca de 25 anos. Ele declarou inclusive que, entre outubro de 2009 e janeiro de 2010, representantes da companhia internacional com sede na Holanda fizeram vistorias das instalações da oficina situada no bairro de Vila Nova Cachoeirinha, na capital paulista.

À Repórter Brasil, a C&A não se esquivou da responsabilidade em relação à cadeia produtiva dos itens que comercializa, diferentemente de sua concorrente – que preferiu responder na ocasião que a “situação detectada pelos auditores não é de responsabilidade direta ou indireta da Marisa”.

A C&A admitiu inclusive que tomou conhecimento da presença da CSV na sua cadeia produtiva somente em outubro de 2009. “Até então, o fornecedor Karvin não havia comunicado à empresa a inclusão desta oficina na sua lista de subcontratados”, acrescenta a companhia, que sustenta ter “advertido a Karvin de que este procedimento não seria tolerado novamente”.

Desde 2006, a C&A mantém um segmento próprio para auditar a sua cadeia de suprimentos denominado Organização de Serviço para Gestão de Auditorias de Conformidade (Socam). Segundo a empresa, as vistorias são “aleatórias e não agendadas, com o objetivo de coibir qualquer tipo de mão de obra irregular e buscar a melhoria contínua das condições de trabalho”.

A rede varejista confirma ter realizado uma primeira visita à CSV, por meio da Socam, em 23 de outubro de 2009. Nenhum estrangeiro ilegal foi encontrado, assegura a empresa, que verifica, entre outros, aspectos como a regularidade do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). 

Com o intuito de melhorar as condições de trabalho do local, a Socam estabeleceu, em 28 de outubro, um “plano de ação” para a CSV com diversas ações: disponibilizar e apresentar documentos e critérios adotados para cálculo e pagamento de salários; sinalizar todas as saídas; providenciar a recarga de extintores de incêndio e kit de primeiros socorros; arrumar e organizar a área de trabalho; proteger e melhorar disjuntores e instalação elétrica e providenciar sabonete líquido e papel toalha nos banheiros, entre outras.

“É importante ressaltar que o trabalho realizado pela Socam não tem caráter punitivo, exceto nos casos de infrações graves. O objetivo, além de coibir qualquer tipo de mão de obra ilegal, é também buscar a melhoria contínua das condições de trabalho dos seus fornecedores, informar e promover a transformação destes espaços”, argumenta a C&A.

Em janeiro de 2010, a Socam voltou à CSV para acompanhar a implantação do “plano”. Segundo a empresa, novamente não houve registro de imigrantes sem documentação legal. “Constatou-se, porém, que o plano não havia sido implantado. O prazo inicialmente de 90 dias foi prorrogado pelo mesmo período, até abril de 2010. O não cumprimento implicaria na suspensão do fornecimento. No início de fevereiro, a CSV foi descadastrada pela Karvin, que constatou nesta data a existência de trabalhador sem documentação regularizada”, relata a C&A.

A empresa afirma ainda que o relacionamento comercial com a Karvin também foi temporariamente suspenso por conta de situações irregulares encontradas em outras oficinas subcontratadas. “O fornecimento ficará suspenso até que as irregularidades apontadas sejam resolvidas”, prossegue.

Em depoimento à fiscalização, por seu turno, o proprietário da CSV alegou que o “preço muito baixo” pago pela Karvin (para fornecimento à C&A) por cada peça costurada teria sido um dos motivos para a descontinuidade do vínculo comercial. Questionada sobre a porcentagem de partilha média do preço final pago pelo consumidor – quanto seria destinado aos produtores (oficinas/fornecedores) e quanto ficaria mais especificamente com o varejo -, a C&A afirma seguir “os valores que são praticados pelo mercado”. 

“É importante ressaltar que o preço de venda não se justifica unicamente com a produção da peça, mas inclui várias despesas na operação como impostos, salários, logística, infraestrutura”, adiciona a empresa. 

A Karvin foi procurada para se pronunciar sobre o caso e prometeu atender a reportagem. Após o primeiro contato, porém, a representante da empresa não foi mais encontrada nos diversos telefones mantidos pela fornecedora de peças de vestuário com base no bairro do Bom Retiro.

Com relação aos gastos com publicidade (recentes campanhas da C&A foram protagonizadas por estrelas internacionais da música pop) e à possibilidade de deslocar parte desses recursos para recompensar aqueles que trabalham na cadeia produtiva dos produtos vendidos nas lojas, a C&A se restringiu apenas a declarar que “esta informação [sobre publicidade] não é pública” e que a mesma é “considerada estratégica para a companhia”.

loading...

Escreva aqui !

2 Comentários

  • adorei essa reportagem. inclusive eu trabalho na cea e no diario que temos todos os dias antes de começarmos a trabalhar , nos foi passado e explicado tudo sobre esse assunto . é bom trabalharmos com empresa séria e honesta que reconhece o erro e conserta . gosto disso!