Santo Antônio de Pádua

Santo Antônio de Pádua

Santo AntônioSanto Antônio de Pádua

Oração para os namorados:”Meu grande amigo Santo Antônio, tu que és o protetor dos enamorados, olha para mim, para a minha vida, para os meus anseios. Defende-me dos perigos, afasta de mim os fracassos, as desilusões, os desencantos. Faze que eu seja realista, confiante, digno e alegre.

Que eu encontre um amor que me agrade, seja trabalhador, virtuoso e responsável.

Que eu saiba caminhar para o futuro e para a vida a dois com as disposições de quem recebeu de Deus uma vocação sagrada e um dever social.

Que meu amor seja feliz e sem medidas. Que todos os enamorados busquem a mútua compreensão, a comunhão de vida e o crescimento na fé. Assim seja.”

Sermão de Santo Antônio de Pádua

EXÓRDIO – O DESERTO DE ENGADI

1. “Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo”, etc. (Mt 4, 1).

Lemos no primeiro livro dos Reis que Davi demorou-se no deserto de Engadi (cf. 1Re 24, 1-2). Davi quer dizer “de mão forte” e indica Jesus Cristo, que, com as mãos pregadas na cruz, destruiu as potências dos ares (diabólicas). Ó maravilhoso poder: vencer o próprio inimigo com as mãos presas! Cristo demorou-se no deserto de Engadi, nome que se interpreta como “olho da tentação”.

Observa que o olho da tentação é tríplice. O primeiro é o da gula, do qual se lê no Gênesis:“E a mulher viu que [o fruto] da árvore era bom para comer, belo aos olhos e de aspecto agradável; tomou do seu fruto, comeu dele e deu-o ao seu marido” (Gn 3, 6). O segundo é o da soberba e da vanglória, do qual Jó, falando do diabo, diz: “Olha tudo o que é alto: ele é o rei de todos os filhos da soberba” (Jó 41, 25). O terceiro é o da avareza, do qual fala o profeta Zacarias: “Este é o seu olho em toda a terra” (Zc 5, 6). Cristo, então, permaneceu no deserto de Engadi por quarenta dias e quarenta noites; durante eles, sofreu do diabo as tentações da gula, da vanglória e da avareza.

 

2. É dito, por isso, no evangelho de hoje: “Jesus foi conduzido ao deserto”. Observa que os desertos são três, e em cada um desses foi conduzido Jesus: o primeiro é o seio da Virgem, o segundo é aquele do evangelho de hoje, o terceiro é o patíbulo da cruz. Ao primeiro, foi conduzido só pela misericórdia, ao segundo, para dar-nos o exemplo, ao terceiro, para obedecer o Pai.

 

Do primeiro diz Isaías: “Mandai, Senhor, o cordeiro dominador da terra, da pedra do deserto ató o monte da filha de Sião” (Is 16, 1). Ó Senhor, Pai, mandai o cordeiro, não o leão, o dominador, não o destruidor, da pedra do deserto, isto é, da bem-aventurada Virgem que é chamada “pedra do deserto”“pedra”, pelo firme propósito da virgindade, pelo qual respondeu ao anjo: “Como pode acontecer isso, pois não conheço homem?” (Lc 1, 34), vale dizer: fiz o firme propósito de não conhecê-lo; “do deserto”, porque não arável [lat. inarabilis]: permaneceu, de fato, intacta, virgem antes do parto, no parto e depois do parto. Mandai-o ao monte da filha de Sião, isto é, à santa igreja, que é filha da celeste Jerusalém.

Do segundo deserto diz Mateus: “Jesus foi conduzido ao deserto, para ser tentado pelo diabo”, etc.

Do terceiro fala João Batista: “Eu sou a voz daquele que clama no deserto” (Jo 1, 23). João Batista é dito “voz” porque, como a voz precede a palavra, assim ele precedeu o Filho de Deus. Eu, disse, dou a voz de Cristo, que clama no deserto, isto é, sobre o patíbulo da cruz:“Pai, nas vossas mãos eu entrego o meu espírito” (Lc 23, 46). Nesse deserto tudo foi cheio de espinhos e ele foi privado de toda forma de humano socorro.

A TRÍPLICE TENTAÇÃO DE ADÃO E DE JESUS CRISTO
3. “Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto”. Frequentemente se pergunta por quem Jesus foi conduzido ao deserto. Lucas o diz claramente: “Jesus, cheio do Espírito Santo, retirou-se do Jordão e foi conduzido pelo Espírito ao deserto” (Lc 4, 1). Foi conduzido por aquele mesmo Espírito do qual estava cheio, e do qual ele mesmo diz, pela boca de Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me consagrou com a unção” (Is 61, 1). Por aquele Espírito, pelo qual foi “ungido” (consagrado) mais que os seus companheiros (cf. Hb 1, 9), foi conduzido ao deserto, para ser tentado pelo diabo.

Como o Filho de Deus, o nosso Zorobabel, nome que se interpreta como “mestre da Babilônia”, viera reconstruir o mundo arruinado pelo pecado, e, como médico, para curar os doentes, foi necessário que ele curasse os maus com os remédios opostos: como na arte médica as coisas quentes se curam com o frio, e as coisas frias com o calor.

A ruína e a fragilidade do gênero humano foi o pecado de Adão, constituído de três paixões: a gula, a vanglória, a avareza. Diz, de fato, o verso: “A gula, a vanglória e a ganância venceram o velho Adão” (autor desconhecido). Esses três pecados os achas escritos no Gênesis: “Disse a serpente à mulher: No dia em que comerdes deste fruto, abrir-se-ão os vossos olhos”eis a gula“sereis como deuses”eis a vanglória“conhecereis o bem e o mal”eis a avareza (Gn 3, 4-5). Esses foram as três lanças com as quais foi assassinado Adão junto com os seus filhos [com a sua descendência].

Lemos no segundo livro dos Reis: “Joab tomou na mão três lanças e as meteu no coração de Absalão” (2Re 18, 14). Joab quer dizer “inimigo” e justamente indica o diabo, que é o inimigo do gênero humano. Ele, com a mão da falsa promessa, “tomou três lanças”, isto é, a gula, a vanglória e a avareza, “e as meteu no coração”, no qual está a fonte do calor e da vida do homem – “dele, diz Salomão, procede a vida” (Pr 4, 23) -, para apagar o calor do amor divino e tirar completamente a vida; “no coração de Absalão”, nome que quer dizer “paz do pai”. E esse foi Adão, que foi posto num lugar de paz e de delícias a fim de que, obedecendo o Pai, conservasse eternamente a sua paz. Mas, já que não quis obedecer o Pai, perdeu a paz e, no seu coração, o diabo meteu as três lanças e o privou completamente da vida.

4. O Filho de Deus veio, portanto, no tempo favorável e, obedecendo a Deus Pai, reintegrou aquilo que estava perdido, curou os vícios com os remédios opostos. Adão foi posto no paraíso no qual, imerso nas delícias, caiu. Jesus, pelo contrário, foi conduzido ao deserto, no qual, persistindo no jejum, derrotou o diabo.

Observai como concordam entre si, no Gênesis e em Mateus, as três tentações: “Disse a serpente: No dia em que comerdes dele”; “e, aproximando-se, o tentador lhe disse: Se és o Filho de Deus, dize que estas pedras se tornem pães” (Mt 4, 3): eis a tentação da gula. Da mesma forma: “Sereis como deuses”; “então o diabo levou-o à cidade santa, e o pôs sobre o pináculo do templo” (Mt 4, 5), eis a vanglória. E enfim: “Conhecereis o bem e o mal”; “novamente, o diabo levou-o para sobre um monte altíssimo, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a sua glória, e lhe disse: Tudo isto eu te darei, se, prostrando-te, me adorares” (Mt 4, 8-9). O diabo, quanto é pérfido, tanto perfidamente fala: essa é a tentação da avareza.

Mas a Sabedoria, por sempre agir sabiamente, superou as três tentações do diabo com as três sentenças do Deuteronômio.

Jesus, quando o diabo o tentou pela gula, respondeu: “O homem não vive somente de pão”(Mt 4, 4; cf. Dt 8, 3), como se dissesse: Como o homem exterior vive de pão material, assim o homem interior vive do pão celeste, que é a palavra de Deus. A Palavra de Deus é o Filho, que é a Sabedoria que procede da boca do Altíssimo (cf. Eclo 24, 5). A sabedoria é chamada, assim, de sabor. Assim o pão da alma é o sabor da sabedoria, com o qual assabora os dons do Senhor e prova quão suave é o próprio Senhor (cf. Sl 33, 9). Desse pão é dito no livro da Sabedoria: “Preparaste-lhes um pão do céu, que contém toda delícia e todo suave sabor” (Sb 16, 20). E isso pretende quando diz: “Mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4, 4; cf. Dt 8, 3). “De toda palavra”, porque a palavra de Deus e a sabedoria têm todo sabor suave, que torna insípido todo prazer da gula. E, como Adão teve nojo desse pão, cedeu à tentação da gula. Justamente, então, é dito: Não só de pão, etc.

Da mesma forma, quando o diabo o tentou pela vanglória, Jesus respondeu: “Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Mt 4, 7; cf. Dt 6, 16). Jesus Cristo é Senhor pela criação, é Deus pela eternidade. E esse Jesus o diabo tentou, quando exortou a atirar-se abaixo, do pináculo do templo, o próprio criador do templo, e prometeu a ajuda dos anjos ao Deus de todas as potências celestes. “Não tentarás, então, o Senhor, teu Deus!”. Também Adão tentou o Senhor Deus, quando não observou o mandamento do Senhor e Deus, mas prestou fé com leviandade à falsa promessa: “Sereis como deuses”. Que vanglória, crer poder tornar-se deuses! Ó miserável! Em vão te enalteces acima de ti mesmo, e, por isso, ainda mais miseravelmente cais abaixo de ti. Não tentes, então, o Senhor, teu Deus.

Enfim, quando o diabo o tentou pela avareza, Jesus respondeu: “Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a Ele servirás” (Mt 4, 10; cf. Dt 6, 13; 10, 20). Todos aqueles que amam o dinheiro ou a glória do mundo, ajoelham-se diante do diabo e o adoram.

Nós, pelo contrário, por quem o Senhor veio ao seio da Virgem e sofreu o patíbulo da cruz, instruídos pelo seu exemplo, caminhamos no deserto da penitência e, com a sua ajuda, reprimimos a concupiscência da gula, o vento da vanglória e o fogo da avareza.

Adoramos também nós aquele que os próprios arcanjos adoram, servimos aquele que os anjos servem, aquele que é bendito, glorioso, louvável e excelso pelos séculos eternos. E todo o criado diga: Amém!

loading...

Escreva aqui !