Mistérios inexplicáveis – Localização do Jardim do Éden

Um dos mistérios mais antigos seria a localização do Jardim do Éden. Se o tal Éden existiu, aonde se localizaria?

Jardim do Éden  Mistérios inexplicáveis   Localização do Jardim do Éden

Genesis 2: 8 E plantou o SENHOR Deus um jardim no Éden, do lado oriental; e pôs ali o homem que tinha formado.
9 E o SENHOR Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.
10 E saía um rio do Éden para regar o jardim; e dali se dividia e se tornava em quatro braços.
11 O nome do primeiro é Pisom; este é o que rodeia toda a terra de Havilá, onde há ouro.
12 E o ouro dessa terra é bom; ali há o bdélio, e a pedra sardônica.
13 E o nome do segundo rio é Giom; este é o que rodeia toda a terra de Cush.
14 E o nome do terceiro rio é Tigre; este é o que vai para o lado oriental da Assíria; e o quarto rio é o Eufrates.

Os rios Tigre e Eufrates existem até hoje. Cush (ou Kush), era um reino localizado no baixo Egito (atual Sudão/Etiópia). Devemos levar em conta que são milhares de anos, tempo mais que suficiente para alterar o curso original dos rios. Devemos levar em conta também, eventos que podem ter alterado a geografia do planeta, como o afastamento das placas tectônicas, terremotos e a erosão provocada por enchentes ou talvez até mesmo o dilúvio. Sugiro que daqui por diante, quem estiver lendo abra o google maps (http://maps.gogle.com – visão de satélite) e focalize na região do Iraque, Irã, Kuwait. O mais provável é que o Éden se localizasse numa região atualmente submersa no golfo pérsico, pois é a raiz comum do Tigre e do Eufrates. Porém, para que dali saisse um rio que chegue a Etiópia, há necessidade que o Mar Vermelho e o golfo Pérsico não existam nessa época, o que ligaria como um só continente (deriva continental de Wegener = Pangéia?) as terras citadas. Isso é confirmado pelo relevo da costa do Iemen: comparado ao relevo das montanhas da Etiópia, ambos se encaixam perfeitamente, e foram mesmo uma só cordilheira no passado (verifiquem no google maps em modo terreno). Note também, que na Etiópia, dessa cordilheira, nascem diversos lagos e rios, assim como das montanhas no Iemen. Essas seriam a continuação do rio Gion no passado.

Havilah é de localização incerta, mas por referências bíblicas podemos determinar que encontrava-se, saindo do Egito, logo depois de Sur. Em termos de mineralogia, uma das mais conhecidas jazidas de ouro da região encontra-se a pouco mais de 200km de Medina, e dali também se extrai a pedra sardônica. Pra quem não sabe, o bdélio é uma resina aromática, extraida de certas árvores, e é usado como substituto da mirra. Seguindo pela fronteira do Kuwait, temos o chamado rio Kuwait, o qual estima-se ter secado entre 5 a 11 milênios. Entrando quase que em uma reta Arábia Saudita adentro até Buraydah, o leito seco vira para oeste e segue rastreável até 35 km a oeste de Medina, onde entra em terreno vulcânico, cheio de crateras e rochas de formação magmática (evidentemente, bem elevado pela lava no passado, escondendo – e desviando/interrompendo – o fluxo do rio). Porém, pelo que restou de relevo erodido evidenciando o curso antigo, da pra ter certeza de que era ele mesmo…

Pode-se ver nas imagens de satélite o leito de um rio seco partindo de Ash Shibhanah (Emirados Árabes), que passa exatamente por um grande campo petrolífero em Harad (Arábia Saudita), dirigindo-se para oeste até Tibrak (Arábia Saudita), onde vira para sul, seguindo por Kumdah (ainda Arábia Saudita) até chegar a região de lagos a norte de Najran (Iemen), onde torna-se um rio novamente, indo para as montanhas. No passado, essas montanhas (talvez nem houvessem montanhas) estariam sobre terras da Etiópia (Kush)…

loading...

Escreva aqui !

Comentário