Eliza Samudio está viva

A falta de vestígios da suposta execução de Eliza Samudio pode se tornar um ponto frágil no inquérito da Polícia de Minas Gerais sobre o desaparecimento da ex-amante do goleiro Bruno. Para o advogado criminalista e presidente da Comissão de Fiscalização e Defesa da Advocacia da OAB-SP, Mario de Oliveira Filho, ou Eliza está viva, ou o crime não ocorreu da forma como foi delatado pelo jovem de 17 anos, primo de Bruno e estopim de seu pedido de prisão. “É inadmissível, em termos técnicos, nada ter sido encontrado”, afirmou.

A falta de vestígios da suposta execução de Eliza Samudio pode se tornar um ponto frágil no inquérito da Polícia de Minas Gerais sobre o desaparecimento da ex-amante do goleiro Bruno. Para o advogado criminalista e presidente da Comissão de Fiscalização e Defesa da Advocacia da OAB-SP, Mario de Oliveira Filho, ou Eliza está viva, ou o crime não ocorreu da forma como foi delatado pelo jovem de 17 anos, primo de Bruno e estopim de seu pedido de prisão. “É inadmissível, em termos técnicos, nada ter sido encontrado”, afirmou.

Segundo o relato do adolescente à polícia, Eliza foi estrangulada e esquartejada pelo ex-policial militar Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em uma casa em Vespasiano (MG). Depois disso, partes de seu corpo teriam sido jogadas aos cães da casa onde foi morta, e outras partes concretadas. “Esquartejar uma pessoa é muito complicado, desossar é pior ainda, pela forma como isso tem que ser feito, pela quantidade de sangue no local, nas roupas, além de vestígios de ossos, cabelo, e incrivelmente, por mais que se esforce, a polícia não consegue encontrar nada no local do crime apontado pelo jovem”, disse Oliveira.

Na avaliação do criminalista, o caso se baseia no depoimento do jovem e isso expõe a maior fragilidade das investigações. “Uma coisa que pode ser favorável ao Bruno é o fato do menor ser a peça chave de toda a investigação e da acusação dos demais envolvidos (…) A todo o momento ele muda seu depoimento, disse que o Bruno estava no local do crime, mas depois desmentiu. Isso começa a mostrar a fragilidade desse relato”, disse.

Em coletiva concedida na sexta-feira, o delegado Edson Moreira afirmou que o depoimento do jovem é “contundente e tem lastro”. Um exemplo usado por ele é o caminho feito pelos suspeitos do sítio de Bruno, em Esmeraldas, até a casa de Bola. “Ele descreveu com detalhes o trajeto (…) Descreveu de forma precisa os cômodos da casa. (…) Quem descreve o local, a casa, da maneira como foi, reconhecendo a fotografia do Bola inclusive, não tem jeito de ser um depoimento inverídico. Ninguém tem condições de inventar uma história mirabolantes daquela”.

De acordo com o adolescente, Bruno não tinha conhecimento do sequestro, nem da morte de Eliza, e não estava no local do crime. Filho diz que, com base nisso, a defesa do atleta poderia reforçar a tese do “excesso de mandato”. “O Bruno, que exerceria um fascínio sobre Macarrão e os demais, pode ter dito para eles: ‘dêem um susto nela, uns tapas’, e eles podem ter se excedido, ultrapassando o que ele mandou ser feito (…) ele pode alegar que não mandou matar Eliza”.

Nessa semana, em entrevista ao Jornal do Terra, o perito George Sanguinetti, médico que a defesa do goleiro Bruno quer contratar para uma investigação particular, afirmou que “não há, até o momento, uma ordem direta do jogador para matar Eliza”. “Bruno não teria dito claramente ‘mate, execute’, e sim ‘resolva ao problema'”, afirmou o perito, que também defende uma busca mais precisa por resíduos na casa de Bola.

Filho acredita que o caso poderá ir à júri popular, mesmo sem corpo, mas se houver qualquer dúvida durante o julgamento, os réus podem ser absolvidos. “Frágil o caso não é, mas começa a ficar mais evidente que há problemas. Bruno pode alegar que não mandou matar Eliza. E se o depoimento do adolescente for desmoralizado?”, questionou.

O caso
Eliza desapareceu no dia 4 de junho, quando teria saído do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno. No ano passado, a estudante paranaense já havia procurado a polícia para dizer que estava grávida do goleiro e que ele a agrediu para que ela tomasse remédios abortivos. Após o nascimento da criança, Eliza acionou a Justiça para pedir o reconhecimento da paternidade de Bruno.

No dia 24 de junho, a polícia recebeu denúncias anônimas dizendo que Eliza havia sido espancada por Bruno e dois amigos dele até a morte no sítio de propriedade do jogador, localizado em Esmeraldas, na Grande Belo Horizonte. Durante a investigação, testemunhas confirmaram à polícia que viram Eliza, o filho e Bruno na propriedade. Na noite do dia 25 de junho, a polícia foi ao local e recebeu a informação de que o bebê apontado como filho do atleta, de 4 meses, estava lá. A atual mulher do goleiro, Dayane Rodrigues do Carmo Souza, negou a presença da criança na propriedade. No entanto, durante depoimento, um dos amigos de Bruno afirmou que havia entregado o menino na casa de uma adolescente no bairro Liberdade, em Ribeirão das Neves, onde foi encontrado. Por ter mentido à polícia, Dayane Souza foi presa. Contudo, após conseguir um alvará, foi colocada em liberdade. O bebê foi entregue ao avô materno.

Enquanto a polícia fazia buscas ao corpo de Eliza seguindo denúncias anônimas, em entrevista a uma rádio no dia 6 de julho, um motorista de ônibus disse que seu sobrinho participou do crime e contou em detalhes como Eliza foi assassinada. O menor citado pelo motorista foi apreendido na casa de Bruno no Rio. Ele é primo do goleiro e, em depoimento, admitiu participação no crime. Segundo o delegado-geral do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DIHPP) de Minas Gerais, Edson Moreira, o menor apreendido relatou que o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola ou Neném, estrangulou Eliza até a morte e esquartejou seu corpo. Ainda segundo o relato, o ex-policial jogou os restos mortais para seus cães. Segundo o delegado, no dia do crime, o goleiro saiu do sítio com Eliza e voltou sem ela, o que indicaria que o goleiro presenciou a ação.

No dia seguinte, a mulher de Bruno foi presa. Após serem considerados foragidos, o goleiro e seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, acusado de participar do crime, se entregaram à polícia. Os três negam participação no desaparecimento. A versão do goleiro e da mulher é de que Eliza abandonou o filho. No dia 8, a avó materna obteve a guarda judicial da criança.

Fonte Portal Terra

loading...

Escreva aqui !

5 Comentários

  • Se Eliza foi mesmo morta pelos monstros feito homens, desejo que A LUZ ETERNA
    brilhe para ela. Se ela sobreviveu, que volte para amar o filhinho dela e assuma as consequências, assim acaba esse caso tão desgastante.

  • Lembra da novela passione? Lembra da Clara? Quem sabe aconteceu o mesmo, na
    novela alguém encontraria a Clara ? Todos pensavam que ela estava morta, ela bem viva . Eu sinceramente gostaria que ELIZA estivesse viva e de preferência bem, é triste saber que algum ser humano tenha sofrido tanto nas mãos de monstros assim.