Distribuição de remédio contra gripe suína em SP

Com o maior número de mortes registradas em decorrência da gripe suína –a gripe A (H1N1)– no país, o Estado de São Paulo anunciou nesta terça-feira a distribuição do antiviral Oseltamivir, medicamento utilizado no tratamento da doença. O remédio contra a gripe suína será destinado a todas as pessoas com suspeita da gripe A (H1N1), e poderá ser retirado em 50 postos que serão implantados pelo governo até a próxima sexta-feira (7).

gripesuInaCom o maior número de mortes registradas em decorrência da gripe suína –a gripe A (H1N1)– no país, o Estado de São Paulo anunciou nesta terça-feira a distribuição do antiviral Oseltamivir, medicamento utilizado no tratamento da doença. O remédio contra a gripe suína será destinado a todas as pessoas com suspeita da gripe A (H1N1), e poderá ser retirado em 50 postos que serão implantados pelo governo até a próxima sexta-feira (7).

De acordo com a secretaria, o objetivo é facilitar o acesso ao medicamento a pacientes que precisam do remédio, mas cujos casos não requerem internação hospitalar, principalmente gestantes e grupos de risco.

O medicamento poderá ser retirado mediante a apresentação de receita médica. “A nova orientação também garante que qualquer médico, indepentemente da unidade de saúde (particular ou pública), pode receitar o medicamento”, informou o órgão, em nota.

A receita e o formulário específico para pedir o remédio ficará disponível no site da secretaria nos próximos dias. Ele deve ser assinado e preenchido pelo médico do paciente.

“Seguindo diretriz do Ministério da Saúde, o medicamento somente deverá ser indicado para pacientes que estiverem dentro do prazo de 48 horas da data do início dos sintomas”, disse a secretaria.

Protocolo

Reportagem publicada hoje na Folha revela que, a partir desta semana, médicos poderão receitar o medicamento contra a gripe suína para pacientes que não se enquadram nos casos previstos no atual protocolo de tratamento –síndrome respiratória grave ou com algum fator de risco, como cardiopatia e gravidez.

A mudança será introduzida no protocolo nos próximos dias, segundo o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Gerson Penna. O documento trará uma caixa em vermelho com a frase: “Qualquer indicação diferente das recomendadas neste protocolo fica na inteira responsabilidade do médico prescritor e da autoridade sanitária local”.

Mortes

Nesta terça-feira, os Estados do Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo confirmaram mais 37 mortes, ao todo, em decorrência da gripe suína. Com isso, o número de óbitos no país subiu para 129.

Sintomas

A gripe suína é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza A, chamado de H1N1. Ele é transmitido de pessoa para pessoa e tem sintomas semelhantes aos da gripe comum, com febre superior a 38ºC, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e nas articulações, irritação dos olhos e fluxo nasal.

Para diagnosticar a infecção, uma amostra respiratória precisa ser coletada nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus, e examinadas em laboratório.

Os antigripais Tamiflu e Relenza, já utilizados contra a gripe aviária, são eficazes contra o vírus H1N1, segundo testes laboratoriais, e parecem ter dado resultado prático, de acordo com o CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos).

loading...

Escreva aqui !

Comentário

  • este medicamento deveria ser distribuído à toda a população, principalmente os mais pobres aqueles que ainda não possuem o registro de nascimento.