Lyoto Machida fala sobre TUF, Bader, descer pra MW

Atualizado por em Comentários 0  

O brasileiro Lyoto Machida vai encarar Ryan Bader, dia 04 de agosto, pelo UFC on FOX 4, nos Estados Unidos.

Para os fãs de Lyoto Machida, o mito deu uma entrevista para o site tatame, vamos conferir o que disse um dos maiores mitos do MMA.

Lyoto Machida  Lyoto Machida fala sobre TUF, Bader, descer pra MWVocê vai fazer toda a sua preparação em Belém?

Estou pensando em fazer uma parte nos Estados Unidos, na Black House e outra no Brasil. Como ele (Bader) é do Wrestling, acho importante a gente pegar umas coisas lá de fora, o que vai me ajudar bastante. Vou convocar alguns técnicos de Wrestling. Pensei logicamente em me preparar para defender o estilo dele. A meta é fortalecer isso para que a gente consiga colocar nosso jogo com mais facilidade.

O que você pode falar sobre o jogo do Bader?

A gente treinou junto uma vez, no TUF que o Minotauro foi técnico. Treinamos juntos, nos conhecemos um pouco, apenas um dia. Como pessoa, é um cara tranquilo, um lutador aguerrido, que mostra vontade e raça. Na parte em pé, vem melhorando e o forte dele é o Wrestling mesmo. Eu não o vejo como um expert de chão, mas lógico que é sempre perigoso.

Você estava invicto até perder para o Shogun, em maio de 2010. E, das últimas quatro lutas, só venceu uma. A que você atribui isso?

É difícil falar. Eu estou lutando com os melhores e um detalhe faz a diferença na decisão da vitória e da derrota. Realmente tive algumas derrotas, mas isso faz parte também. É uma fase que eu passei, alguma mudança que eu devo ter feito de forma inconsciente mesmo e foram alguns resultados nada agradáveis. Tudo é válido como aprendizado e melhora. Agora é focar daqui para frente da melhor forma possível.

Existe a chance de você descer de categoria?

Olha, eu falei isso porque eu quero me manter ativo. Se não tiver luta na minha categoria, eu posso lutar na de baixo. É lógico que o meu amigo, o Anderson, é o campeão de lá e eu o respeito, quero que ele continue como campeão, mas isso não impede que eu faça um desafio na categoria de baixo, assim como ele já fez alguns na categoria de cima.

O Shogun deu uma entrevista à TATAME, esta semana, dizendo que gostaria de ser um dos treinadores do TUF. E, assim como ele, você é poderia ser treinador do reality show. Essa possibilidade te agrada?

Com certeza. Isso seria uma conquista tanto para mim como para o Shogun. Eu tenho o maior respeito por ele. Lógico que existe essa rivalidade, mas é dentro do octógono. A gente se cumprimenta muito bem fora disso e, na verdade, somos colegas de profissão, então tem que haver respeito. Isso vai ser bom para a gente. Realmente, se houver essa possibilidade do TUF, acho que só temos a crescer com isso, assim como o esporte.

Você sempre demonstrou vontade em lutar no Brasil. Ficou frustrado por não ser incluído no card?

Sempre a vontade é grande, mas acho que vai ter hora certa. Não é o último evento, tenho quase certeza disso. Estou esperando uma chance. Quero lutar bem, independente do lugar. Gosto de lutar nos Estados Unidos, onde já tenho uma luta marcada e me sinto em casa. Minhas últimas lutas foram no Canadá, com Randy Couture, Jon Jones… Vai ser bom lutar nos Estados Unidos. Quando eu tiver uma oportunidade de lutar no Brasil, vou agarrá-la muito bem.

Classifique este artigo
Links Patrocinados
0

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*
*